quinta-feira, 30 de julho de 2009

Somos arranjos temporários - Living well is the best revenge

Post no blog Somos arranjos temporários elogiando a música Living well is the best revenge. Contém também um clipe com versão ao vivo.

Bem bacana.





Curiosidades - Country Feedback

Country Feedback.

Essa é a música favorita do disco Out of Time para o Michael Stipe. Ele diz que ela é uma canção de amor, vista pelo seu lado mais feito. É uma música que fala da desistência de um relacionamento.

Country Feedback foi talvez a música mais rápida a ser gravada pelo grupo. A gravação durou no máximo 35 minutos sem incluir a mixagem. O Peter Buck montou a sequência de quatro acordes, o Bill Berry tocou o baixo e o Michael Stipe tinha uns rabiscos num pedaço de papel que usou para cantar. De acordo com Stipe, o vocal dele na versão demo foi a única que ele gravou e que acabou entrando para o disco Out of Time.

Na letra existe o seguinte verso EST, psychics, fuck all. EST é provavelmente a abreviatura de Erhard Sensitivity Training (Treinamento de Sensitividade Erhard). Nos anos 70, um homem chamado Werner Erhard ministrava seminários para fazer as pessoas mais "responsáveis" e "duras". Ele fez muito dinheiro trancando grupos grandes em salas de convenções. Ele gritava com o grupo e não deixava ninguém sair da sala nem para ir ao banheiro.

Escrito por PauloEdu.

fontes:
The Complete Guide to the Music of R.E.M. por Peter Hogan

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Entenda a letra - Country Feedback

Country Feedback
do disco: Out Of Time


Country Feedback
This flower is scorched
This film is on
On a maddening loop
These clothes,
These clothes don't fit us right
I'm to blame
It's all the same
It's all the same

You come to me with a bone in your hand
You come to me with your hair curled tight
You come to me with positions
You come to me with excuses
Ducked out in a row
You wear me out
You wear me out

We've been through fake-a-breakdown
Self hurt
Plastics, collections
Self help, self pain,
EST, psychics, fuck all

I was central
I had control
I lost my head
I need this
I need this

A paper weight, junk garage
Winter rain, a honey pot
Crazy, all the lovers have been tagged.
A hotline, a wanted ad
It's crazy what you could've had
It's crazy what you could've had
It's crazy what you could've had
I need this
I need this

Tradução

Resposta do País
Esta flor está chamuscada
Este filme está rodando
Em uma sequência enlouquecedora
Estas roupas
Estas roupas não nos ficam bem
Eu sou o culpado
É sempre a mesma coisa
É sempre a mesma coisa

Você vem até mim com um osso na mão
Você vem até mim com seu penteado enrolado justo
Você vem até mim com argumentos
Você vem até mim com desculpas
Livrando-se constantemente
Você me esgota
Você me esgota

Nós viemos de um falso rompimento
Nos machucamos
Plásticos, coleções
Nos ajudamos, nos ferimos
EST, psicologia, foda-se

Eu era centrado
Eu tinha controle
Eu perdi a cabeça
Eu preciso disso
Eu preciso disso

Um peso de papel, lixo de garagem
Chuva de inverno, um pote de mel
Estranho, todos os namorados foram rotulados
Um telefone de emergência, um anúncio desejado
É doido o que você podia ter tido
É doido o que você podia ter tido
É doido o que você podia ter tido
Eu preciso disso
Eu preciso disso

Traduzido por Paulo Edu.

Amanhã será publicado um post com as curiosidades dessa música, fique ligado!!!

Se você quiser alguma letra traduzida, deixe uma mensagem!!!

Até a próxima.

terça-feira, 28 de julho de 2009

R.E.M. HQ news - notícias oficiais traduzidas

Mills na Espanha, as críticas do Reckoning e as Top 20

Notícia traduzida do site

Além das últimas notícias da turnê do Minus 5, do The Baseball Project e de Steve Wynn IV, nós podemos confirmar que Mike Mills será o substituto do Peter no show do Baseball Project no Festival de La Lunera no dia 7 de Agosto. Mike se juntará a Scott McCaughey, Steve Wynn e Linda Pitmon para o show no Sos Del Rey Catolico na Espanha. Nós procuramos o Scott para mais informações sobre o show e ele nos disse que será uma noite muito especial. Scott disse que "Sos Del Rey Catolico é uma vila medieval maravilhosa nos Pirineus e Gary Louris e Mark Olson dos Jayhawks estaram presentes na noite. Não sabemos até agora se Mike fará ou não outros shows mas nós manteremos você informado.

Várias novas críticas do Reckoning Deluxe Edition foram publicadas na imprensa essa semana incluindo a 5 estrelas da Mojo e 4 estrelas da Q magazine, sem mencionar as várias resenhas positivas feitas pela Record Collector, Classic Rock e Uncut. "Reck Deluxe" foi também reconhecido como "brilhante" na revista de Nova Iorque chamada "Approval Matrix" essa semana. Você pode ler todas as críticas na seção da imprensa no remhq.com (note que as críticas estão em formato PDF).

Verifique também as críticas online em altsounds.com e The Onion.

A revista Rolling Stone (veja foto acima) deu 4 estrelas para o Reckoning Songs From the Olympia na edição dessa semana e relaciona o EP digital no topo de sua colleção "Top Singles" essa semana.

A revista Paste lista "as 20 melhores músicas do R.E.M. de todos os tempos" na sua edição online. Você pode escutar clips de cada música e decidir se elas estão na sua lista de 20 melhores.

Por último, Athens foi eleita uma das Top 15 cidades mais espertas no Conselho de Defesa de Recursos Nacionais na categoria de "Cidades Medianas" (cidades com população entre 100.000 e 250.000 habitantes). Athens ficou em 14 lugar entre 15 baseada em critérios como qualidade do ar, produção e conservação de energia, prédios e espaços verdes, reciclagem, qualidade e conservação da água. É um grande reconhecimento para uma cidade que foi recentemente nomeada em 2009 como "Dozen Distinctive Destination" pela National Trust for Historic Preservation (Confiança Nacional em Preservação Histórica). Parabéns Athens!

Traduzido por PauloEdu.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Link com Críticas do Reckoning Deluxe Edition


Olá pessoal,

Saiu hoje no site oficial da banda uma relação de links contendo as últimas críticas do Reckoning Deluxe Edition realizadas pela mídia mundial. (veja aqui)

Aos poucos vamos traduzindo todas para vocês. Se tiverem algum pedido especial, fiquem a vontade que a gente prioriza a tradução.

Até.


Documentário At the BBC: R.E.M. Accelerating Backwards

Conforme dito anteriormente, A HBO plus está transmitindo o documentário At the BBC: R.E.M. Accelerating Backwards nesse mês (veja aqui). Seguem a descrição do programa assim como algumas fotos do programa.

R.E.M. at the BBC
BBC Studio, London, UK
2008


01. Intro
02. Moon River (Whistle Test) > Entrevista
03. Pretty Persuasion (Whistle Test, 1984)
04. Pop Song (The Late Show, 1989)
05. Orange Crush (Top Of The Pops, 1989)
06. Entrevista
07. Losing My Religion (The Late Show, 1991)
08. Half A World Away (The Late Show, 1991)
09. Entrevista
10. Crush With Eyeliner (Top Of The Pops, 1995)
11. Entrevista
12. Man On The Moon (Top Of The Pops 2, 1998)
13. Entrevista
14. Daysleeper (Top Of The Pops, 1998)
15. Entrevista
16. Imitation Of Life (Top Of The Pops, 2001)
17. Entrevista
18. So. Central Rain (Top Of The Pops 2, 2001)
19. Entrevista
20. All The Way To Reno (Top Of The Pops, 2001)
21. Entrevista
22. Leaving New York (Top Of The Pops, 2004)

Total time: 59:06






domingo, 26 de julho de 2009

R.E.M. Histórico

O balconista Peter Buck da loja Wuxtry segura três exemplares das várias revistas em quadrinhos à venda na loja da rua Baxter: o primeiro exemplar de "Howard the Duck" ("Howard o pato"), um popular quadrinho da Marvel que parodia outros heróis: "Conan o bárbaro" número 2 e "Nick Fury, Agent of Shield", outra revista em quadrinhos popular da Marvel. (Foto de Bud Marshall).

Essa foto publicada em um jornal da época mostra o guitarrista do R.E.M. Peter Buck quando ainda trabalhava na Wuxtry, a loja de discos e quadrinhos de Athens, Geórgia. Foi nessa loja que ele conheceu o vocalista Michael Stipe, se tornaram amigos e passaram a morar juntos na igreja palco do primeiro show realizado pela banda em 5 de abril de 1980.

bem bacana.

fonte: http://cableandtweed.blogspot.com/2007/11/peter-buck-comic-book-nerd.html

sábado, 25 de julho de 2009

The line of best fit - Crítica Reckoning [Deluxe Edition]

Notícia traduzida de The line of best fit

Escrito por Alex Wisgard (24 de Julho de 2009)

Lançado imediatamente após Murmur, um disco que alegavelmente reinventou o indie rock nos anos 1980, o segundo álbum do R.E.M. Reckoning foi uma proposição instantânea distante e após 25 anos ainda soa tão determinado e focado como nunca. Gravado ao vivo em duas semanas, o disco aproveita da impenetrabilidade do ar "Southern Gothic" (Gótico do Sul) do Murmur e de algum modo consegue tornar-se menos autêntico mas mais amigável. Claro que as letras de Michael Stipe continuam cativantes e ao mesmo tempo oblíquas ("There´s a splinter in your eye, and it reads R-E-A-C-T", Tem um estilhaço no seu olho e lê-se R-E-A-J-A"), mas os vocais estão mais perceptíveis na mixagem, destacando sua colisão de caráter densa, anedotas e insensatez. Essa tardia remixagem clarifica o som do disco tornando-o mais prazeiroso escutá-lo, da mesma forma que uma dupla de divertidos (dificilmente dispensáveis) interlúdios, além disso vem com um show inédito da turnê Little America que marcou o lançamento do álbum.

Como uma metralhadora, "Harborcoat" dá vida ao Reckoning com o dobro de energia do início da banda. A faixa se situa no limite de uma batida de disco e entre um ágil baixo do Mike Mills enquanto seu refrão único cantado por três vocalistas (Stipe, Mills e o baterista Bill Berry) cantam um contra o outro em uma espécie de anti-harmonia irresistível. Depois dessa abertura superpoderosa, o disco em seguida orgulha-se de ter alguns dos singles mais notáveis do início da banda; estabelecendo uma conexão única entre o folk e o pós-punk, o riff e os acordes de piano de "7 Chinese Bros." ainda nos arrepiam enquanto ouvimos (Don´t Go Back to) Rockville, uma declaração de amor doentio ao país atinge como o tipo de material desperdiçado com "Get Up" ou "Shiny Happy People" que tornaria a banda famosa. O resto do disco cai em duas categorias - um rock ativo e uma balada sombria; a guitarra Rickenbacker de Peter Buck que cria a gloriosa introdução de "Pretty Persuasion" é um dos momentos excitantes. Enquanto isso, com a energia finalizadora de "Little America" começa uma dos maiores versos da banda - "I can´t see myself at thirty" (Eu não consigo me ver com trinta) - e cai em uma espécie de diario de Kerouac ("Jefferson, I think we´re lost!", "Jefferson, acho que estamos perdidos), como um incansável contra-ataque contra a cultura de consumo da era Reagan ("Another Greeenville another Magic Mart.")

As próximas baladas do disco podem ser consideradas as melhores do disco. A Appalache "Time After Time (annElise)", notória por ser a música que Stephen Malkmus menos gosta é tipicamente elítica; é muito estridente para ser considerada delicada (e a bateria é muito intensa), e muito rápida para ser um hino (a despeito dos "Hey!Hey!Hey" enterrados no fundo da mixagem), mas permanece como uma pedra preciosa no vasto catálogo da banda. "Camera" usa a base do majestoso "Talk About the Passion" para se tornar o coração e a alma do disco; uma elegia para um amigo perdido - Stipe parece que teve problemas em conter a emoção durante as gravaçoes - a música parece fúnestra com o órgão de fundo. A balada mais segura até o momento, "Camera" resume perfeitamente a espantosa dinâmica do R.E.M.; enquanto Stipe canta "I still like you. Do you remember?" ("Eu ainda gosto de você. Lembra-se?) no abismo com o quase insuportável tom de desapego da manhã, o grupo descobre o refrão pela última vez, cimentando a música como um dos momentos mais reveladores da carreira.

O CD ao vivo de bônus, gravado em 1984 em Chicago, abre com uma rendição completa ao "Femme Fatale" do The Velvet Underground com um vocal que pelos padrões dos primeiros anos da banda soam como emoções explosivas e descomplicadas. Revigorado com a ardente rendição de "Radio Free Europe", o disco destaca como o R.E.M. era notoriamente conciso e versátil nos shows, através de sua assinatura composta por harmonias complexas; dos rocks de "call-and-response" de lado b como "Windout" até a sempre espantosa "Driver 8" - que é recebida com um aplauso tímido (ela foi lançada um ano depois) é uma amostragem exemplar.
Os trejeitos de Michael Stipe estão por todo o disco enquanto a banda gerencia tudo.

Reckoning permanece um dos mais categóricos discos da banda e certamente é o mais conciso; em dez músicas a banda consegue encapsular exatamente o que eles passaram, onde eles estavam e tenta dar uma pincelada para onde eles estavam indo. Não que eles contassem com o chuvoso Wood Green ao norte de Londres, onde eles gravariam o Fables seu próximo disco, com previsão de relançamento no ano que vem em seu vigésimo quinto aniversário; enquanto esse dia não vier, há tempo (e mais tempo) para desvendar os prazeres diretos do Reckoning.

100%

Traduzido por PauloEdu.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Download do Mês - Title

Olá pessoal,

O download do mês tem no mês de julho uma raridade, uma música chamada Title que foi tocada algumas vezes na turnê de 1987 e em 1988 totalizando 20 apresentações. Vejam aqui todas as datas.


Até a próxima!!!

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Feito por Fãs

Vídeo muito legal com trilha sonora de 7 Chinese Brother em versão ao vivo.

Vale a pena assistir!!!!

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Peter Buck em Turnê com Minus 5, Baseball Project e Steve Wynn IV

,Notícia original no site REMHQ

Scott McCaughey informa que ele e o Peter Buck entrarão em turnê em Agosto e Setembro para divulgar o último disco do Minus 5, Killingsworth, e informou também que os fãs farão um grande negócio porque serão na verdade "três bandas em uma!" também com participação do The Baseball Project (vejam no site original as datas da turnê) e do Steve Wynn IV. Esta deve ser uma turnê bem divertida então verifique quando a turnê vai passar por sua região.


Traduzido por PauloEdu

Noripcord - Crítica Reckoning [Deluxe Edition]

Notícia traduzida do site Noripcord

Escrito por Nick Fenn (14 de Julho de 2009)

Avaliação do disco: 10

Às vezes, na companhia de amantes da música dogmáticos eu gosto de dizer que eu acho R.E.M. uma banda melhor que os Rolling Stones. Não me julgue, você tem que se divertir quando pode. Pode ser um anúncio chocante e frequentemente encontra desprezo. Geralmente eu acho ridículo criar uma hierarquia das bandas favoritas (elas são amadas por se diferenciar, frequentemente por razões conflitantes) mas às vezes é importante dar um empurrão em uma banda "pouco apreciada" por ai.

"Pouco apreciada" pode parecer completamente inapropriado para uma banda que vendeu milhões e milhões de discos e pode esgotar os ingressos de estádios, mas, apesar de sua notoriedade, R.E.M. é raramente citado por lançar um pouco da mais misteriosa e encantadora música já criada. Eu sei disso porque durante o debate supracitado quando eu cito álbuns como Murmur, Life's Rich Pageant, e, Reckoning poucas pessoas parecem conhecer esses discos. Enquanto todo mundo conhece os superexpostos sucessos desovados pelo Automatic For the People, quantas pessoas conhecem o brilho de Radio Free Europe, or, Harborcoat?

A verdade é que R.E.M. nunca significou "rock and roll" e é por isso que a justaposição com os Stones é engraçada. Enquanto os Stones deixaram um legado de abuso de drogas, morte e galinhagem, o R.E.M. nunca teve medo de adotar seu lado otimista e populista. Os Stones são frequentemente citados e mesmo comentados como sobreviventes de excessos de orgias; o R.E.M. lançou "Shiny Happy People". Os Stones são encabeçados pelo espetacular showman Mick Jagger, R.E.M. tem o tímido e aposentado Michael Stipe. Eu não estou tentando detonar o R.E.M. (Stipe é um showman fantástico a sua maneira), mas tentando argumentar porque seus primeiros trabalhos são negligenciados baseados em avaliações superficiais. Eu não estava imune a isso. Eu nunca gostei de R.E.M. e eu também associava eles com os seus sucessos conhecidos. Nunca gostei até mesmo quando fiquei em casa, sozinho, durante um verão quando tinha 16 anos que eu realmente os entendi.

Não me lembro porque comprei Murmur mas eu tenho a sensação de que teve algo a ver com um amigo me encorajando para dar uma chance para a banda. Eu tenho a sensação que também teve algo a ver com a evocativa capa "Southern gothic" (gótica do Sul) que é ao mesmo tempo desconcertante e excitante, tentadora em seu mistério. Eu passei o resto do verão fumando cigarros e ouvindo Murmur, que é agora um dos meus discos favoritos.

É difícil descrever o que é tão brilhante e essa é a metade do argumento. Michael Stipe murmura as palavras e mesmo quando você entende a letra você vai se sentir pressionado a traduzir o fluxo de consciência enigmático em algo concebível. É esse mesmo efeito dadaístico que faz a leitura do livro de J.Niimi 33 1/3 sobre Murmur ser tão adequado ao mesmo tempo que destaca as descrições de Athens e "Souther gothic" alterando a tarefa quase impossível de descrever a música inteiramente. Quase inaudível pelo nome, indescritível por natureza, é um disco que liga paradoxalmente algo acessível e inexpressivo.

Reckoning é o resultado de uma banda que foi exposta, sem dúvida mais do que estavam preparados e a música é mais direta e soa mais "ao vivo" que o disco anterior. Semelhantemente, os vocais de Michael Stipe foram destacados embora as letras não sejam mais decifráveis por causa disso. Apesar das diferenças, Reckoning é o resultado do trabalho da mesma banda de Murmur. Harborcoat é pujante e surpreendentemente, uma música de abertura como Radio Free Europe e So. Central Rain é catártica assim com Laughing ou Moral Kiosk. De qualquer modo, (Don´t Go Back To) Rockville é uma música de rock tão boa quanto Catapult.

O mais importante é que o senso de mistério e de não pertencer a lugar algum que foi tão difícil de descrever com Murmur é mantido integralmente com o glorioso efeito de Reckoning. Enquanto o R.E.M. nunca se considerou como um clichê da mitologia do rock and roll como tantas outras tentaram (e ainda tentam) o seu trabalho mais antigo permanece como testemunha de seu gênio único a despeito de qualquer crítica sobre sua versão moderna. Enquanto eu iniciava esse artigo fazendo uma comparação discrepante, meu desejo não é reavaliar os Rolling Stones, uma banda que eu gosto, mas sim chamar a atenção para uma parte subestimada e menos conhecida parte do trabalho do R.E.M., uma parte que é pouco vista e ignorada perdendo-se uma música brilhante. Minha esperança é que com os relançamentos de Murmur e Reckoning inspirem curiosidade e chamem atenção para um pouco da melhor e ironicamente o menos conhecido trabalho de uma das bandas mais conhecidas do planeta. Faça a si mesmo um favor e fume um cigarro para os primeiros discos do R.E.M. afinal é verão.

Traduzido por PauloEdu

R.E.M. na TV

No dia 22 de Julho a HBO plus inicia uma série de exibições do documentário At the BBC: Rem Accelerating Backwards no canal HBO plus. Feito em 2008, ele alterna trechos de entrevistas com apresentações realizadas em programas de televisão

Para quem tiver acesso é imperdível!!!!

HBOPLUS-BR.TV

Recordar é viver e viver é recordar

Show do R.E.M. em São Paulo no dia 11 de Novembro de 2008 no Via Funchal.

Texto escrito por Eduardo Kaneco

bem bacana.



terça-feira, 21 de julho de 2009

Biografia do início de carreira

Biografia muito bacana do início da carreira do R.E.M. escrita por Rubens Leme Costa.

bem bacana.

Página da Beatriz
.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Curiosidades

Recentemente foi adicionado no youtube um video falando um pouco das obras do Reverendo Howard Finster. Artista local dos arredores de Athens, Geórgia, morto em 2001, permitiu que algumas de suas obras fossem usadas em vídeos do R.E.M., como o Radio Free Europe e no DVD When the light is mine. Ele também participou da elaboração da capa do Reckoning (Michael Stipe fez o desenho da cobra com duas cabeças e pediu para o Reverendo Howard Finster ilustrar - fonte: It crawled from the south - An R.E.M. Companion de Markus Gray).

No vídeo pode-se ver o Paradise Garden (Jardim do Éden) e a Bicycle Tower (Torre de bicicletas) que aparecem no Radio Free Europe além do próprio Finster.

bem bacana,


Escrito por PauloEdu

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Radio Free Europe (Murmur) - 1982

data: 10 de Outubro de 1982
Local: The Pier
Cidade: Raleigh, Carolina do Norte
País: Estados Unidos


Consequence of Sound - Crítica Reckoning [EP]

Notícia traduzida do site Consequence of Sound

Escrito por Justin Gerber (13 de Julho de 2009)

O R.E.M. certamente esteve ocupado nos últimos 5 anos. Desde o outono de 2004, eles lançaram dois álbuns de estudio, o primeiro álbum ao vivo, edições especiais de seus dois primeiros álbuns e duas turnês mundiais (não vamos nem citar os 1000 projetos paralelos do Peter Buck). Podemos agora adicionar outro trabalho deste período com o Reckoning Songs from the Olympia uma palhinha em formato de EP de um futuro disco duplo ao vivo.

Depois do Around the Sun, tanto o público quanto a banda estavam disapontados e o R.E.M. chegou em um ponto crucial de sua carreira. Eles não estavam se comunicando entre eles tão bem quanto no passado e as gravações do disco sofreram um baque. Foi decidido que para o próximo disco eles trabalhariam com o novo produtor (Jacknife Lee), gravariam em Dublin e dai veriam o resultado.

Felizmente tudo funcionou. As sessões de gravação deram origem ao Accelerate, o melhor álbum da banda em décadas. A concepção do disco passou antes pelo que a banda chama de "working rehersals" (ensaios). Durante cinco noites entre Junho e Julho de 2007, a banda "ensaiou" (Um aviso "Isto não é um show" aparecia durante as apresentações) para o público de Dublin no teatro Olympia.

Lançado junto com o re-lançamento do Reckoning, o novo EP digital contém quatro músicas deste álbum tocadas durante os ensaios (caso o título não diga). O atrativo do EP e do futuro Live at the Olympia são as seleções das músicas. Ouvimos um milhão de vezes “Losing My Religion”, “The One I Love”, e “Man on the Moon” nos últimos 20 anos. Algumas músicas tocadas nos ensaios no entanto não haviam sido tocadas há décadas. (Os anos em parênteses a seguir indicam a última vez que a música foi tocada ao vivo).

"Harborcoat" (1987) soa tão boa quanto no disco mesmo com algumas mudanças. Scott McCaughey acrescentou uma segunda guitarra nos álbums e turnês recentes do R.E.M. e é sempre uma presença bem-vinda. A banda parece que achou um substituto permanente para o ex-baterista Bill Berry na extinta Ministry com Bill Rieflin. Os vocais obscuros do Michael Stipe estão na maior parte ainda obscuros mas as harmonias do Mike Mills estão a tona. Pode-se crer que a redescoberta das músicas antigas que inspiraram a banda durante as gravações de "Accelerate".

A próxima música do EP é "Letter Never Sent" (1989), de novo com harmonias ricas e com uma liderança revigorada do Peter Buck na guitarra. Michael Stipe começa a rir no final, indicando que as performaces não tiveram tratamento de gravação. Em seguida vem a mesma música que dá sequência no disco, “Second Guessing” (1986). Mais versus familiares em seguida com novas harmonias do Mike Mills para essa atualização ao vivo. "Here we are" ("Aqui nós estamos") de fato.

Encerrando vem “Pretty Persuasion”, uma música que Stipe descreve não como uma "história familiar" mas uma "verdadeira história". Ainda é impossível entender cada palavra que Stipe canta nessa música, uma característica do início do R.E.M. Entretanto uma coisa ficou clara: Reckoning Songs from the Olympia forneceram insight para o renascimento da banda e a produção de Jacknife Lee deixa os ouvintes ansiosos para o lançamento do Live at the Olympia neste Outono.

Avaliação: *****

Traduzido por PauloEdu

quinta-feira, 16 de julho de 2009

R.E.M. HQ news - notícias oficiais traduzidas

Notícia em inglês no site oficial

Para um verão sem turnê/gravação, as coisas estão agitadas no HQ (escritória oficial da banda), com o re-lançamento de 25 anos do Reckoning edição especial, o EP em formato digital com as músicas do Reckoning tocadas ao vivo em Olympia e o futuro álbum duplo ao vivo LIVE AT THE OLYMPIA em outubro nos deixando ocupados.

Reckoning foi um álbum maravilhoso na época (sim, 25 anos atrás diz o calendário) e as músicas com certeza se firmaram na eternidade, com a mais recente turnê incluindo 8 de suas músicas em algum momento. Então nós decidimos dar uma canja do futuro álbum ao vivo Olympia lançando 4 das 6 músicas do Reckoning tocadas ao vivo durante os 5 noites de ensaio em Dublin (talvez por que elas soaram tão boas que quisemos que todos pudessem ouví-las). Estamos recebendo boas notícias do iTunes and outras empresas no mundo todo, e é bom ouvir versões recentes dessas canções como Pretty Persuasion e a raramente tocada Letter Never Sent.

Uma crítica recente que o descreveu muito bem foi o site Consequences of Sound, e outro foi No Ripcord. Você talvez tenha visto as ótimas críticas no Reckoning edição especial no Pitchfork and Pop Matters. O cd extra que contém a banda tocando em 1984 no Aragon Ballroom em Chicago está recebendo muita atenção - foi um dos bootlegs mais aclamados entre os que o conhecem e graças a generosidade da WXRT, nós pudemos incluí-lo no álbum.

Nós também disponibilizamos Harborcoat no site oficial REMHQ (veja notícia de ontem) e um trecho de vídeo que surgiu de várias músicas do Reckoning (continuando no tema). As cenas de Dublin foram filmadas pelo estimável Vincent Moon e seu colega Jeremiah, de Takeaway Shows , Supernatural Superserious, e Ninety Nights (sem mencionar todo o seu trabalho extraordinário com todos desde the National até Arcade Fire e the Shins).

Outro link interessante para visitar sobre o show de Olympia é uma pesquisa no Murmurs.com. Existem várias músicas para escolher dentre as várias tocadas nas 5 noites de ensaio e claro todos tem uma opinião - então afunde-se na discussão.

Para mais informações sobre o LIVE AT THE OLYMPIA, vá para REMDublin.com que foi ressucitado pela terceira vez como cronista de toda a passagem do R.E.M. em Dublin e os shows em Olympia (e agora gravado).

Nesta época no ano passado nós estávamos em Dresden, perto do rio - vendo arte e aproveitando a vida urbana da cidade. Este ano, com um ritmo mais lento no mundo do R.E.M., mas com o futuro disco virá uma época especial. As demos que os caras gravaram algumas semanas atrás se tornarão em músicas especiais - só um palpite (mas existe precedente).

Bom verão - está passando rápido!

Bertis

PS: Eu não estarei em Londres esta semana ou em Minneapolis na semana que vem, mas se estivesse eu veria esses caras:

Robyn Hitchcock and other luminaries coordinated by Joe Boyd in a celebration of English folk music: e Christopher O'Riley plays an eclectic program of Radiohead, Elliott Smith and R.E.M.

Traduzido por PauloEdu

quarta-feira, 15 de julho de 2009